Regressar

Tina Vallès, Gabriel Salvadó Bocababa

Texto de Tina Vallès. Ilustrações de Gabriel Salvadó. Tradução de Rita Custódio e Àlex Tarradellas.

O Bocababa é um menino sem sorte. Tem um olho distraído e o outro surpreendido e passa o dia a tropeçar e a colecionar galos porque não olha para onde tem de olhar. Tem sempre a boca aberta de par em par e a gola da camisola empapada pelo fio de saliva que lhe vai caindo.

O Vira-Tripas é um peixe sem cor. Mora na barraquinha dos peixes da feira ambulante da região. Enquanto os outros peixes encontram logo dono, ele envelhece num aquário minúsculo e abandonado a um canto.

Um dia a feira ambulante instala-se na rua do Bocababa… e nada voltará a ser como dantes.

Também disponível em catalão Também disponível em espanhol

Autora

Tina

Tina Vallès. Nasci em Barcelona em 1976. Desde que aprendi a escrever nunca deixei de contar histórias, primeiro aos pais e aos amigos, depois aos leitores e, desde 2009, também, e sobretudo, às minhas duas filhas, a Alba e a Mar. Publiquei as antologias de contos para adultos L’aeroplà del Raval (2006, seleção de textos do blogue homónimo), Un altre got d’absenta (2012) e El parèntesi més llarg (2013, Prémio Mercè Rodoreda de contos e narrativa), também o pequeno romance Maic (2011) e La memòria de l'arbre (2017, Premi Llibres Anagrama). E, para o público mais pequeno e exigente, escrevi El caganer més divertit del Nadal (2011), Petita història del Palau Güell (2011), Totes les pors (2016) e Bocababa, com ilustrações de Gabriel Salvadó (Fragmenta, 2016). Para além de escritora, sou também tradutora e revisora

Site: www.tinavalles.cat

Autor

Gabriel

Gabriel Salvadó. Nasci em 1966 e sempre vivi ao lado do rio e das hortas, perto de Barcelona. Não tenho estudos nem títulos, apenas o de comandante de veleiro. O meu avô arranjava bicicletas, mas para ter dinheiro trabalhava numa fábrica. O meu pai cuidava de uma horta, mas também trabalhava numa fábrica para ganhar um salário. Não gosto das fábricas e sou pobre. Mas prefiro caminhar pelo rio, os gatos, a cerveja à tarde, a luz do sol ou navegar à vela. Às vezes sinto-me desanimado e às vezes contente, e aceito as duas coisas porque fazem parte da vida, e eu gosto muito da vida. Sou um explicador e é tudo isto que explico através do desenho e da escrita.

Site: www.gabrielsalvado.com

 

Tradução

Rita

Rita Custódio (Lisboa). Nasci em Lisboa e sempre soube que estudar letras era o caminho natural a seguir. Tirei um curso de Línguas e Literaturas Modernas na Universidade de Lisboa e comecei a dar aulas até que o caminho da vida me levou a Barcelona. Depois de passar dois anos e meio nessa bela cidade a trabalhar com a língua portuguesa, regressei a Lisboa. Neste momento dedico-me à tradução e à escrita de guias de viagem sobre Portugal, em parceria com Àlex Tarradellas, o que me permite percorrer o país de lés a lés e conhecer os melhores recantos das terras lusas.

 

Àlex

Àlex Tarradellas (Barceona, 1982). Nasci em Barcelona e actualmente vivo em Lisboa. Estudei Humanidades na Universitat Pompeu Fabra, uma licenciatura que só fez aumentar as minhas inquietações relacionadas com a literatura, a arte, a história e a filosofia. Para além de ter feito algumas traduções, também escrevi e actualizei vários guias de viagem sobre Portugal para a editora Anaya Touring, sempre em parceria com Rita Custódio. Espero poder continuar a traçar pontes para que as distâncias pareçam mais pequenas e as diferenças não sejam um obstáculo para criar afectos.

 

Ecos:

Notícias relacionadas:

Bocababa
Coleção:
Pequena Fragmenta
Volume
7
N.º de páginas:
40
Primeira edição:
fevereiro de 2016
ISBN:
978-84-15518-41-9
Encadernação:
capa dura, 28 x 24 cm
A partir de:
5 anos.
PVP: 13.90
Booktrailer de 'Bocababa' Booktrailer de 'Bocababa' Booktrailer de 'Bocababa'
Booktrailer de 'Bocababa'

Bocababa | Texto de Tina Vallès | Ilustrações de Gabriel Salvadó | Tradução de Rita Custódio e Àlex Tarradellas. O Bocababa é um menino sem sorte. Tem um olho distraído e o outro surpreendido e passa o dia a tropeçar e a colecionar galos porque não olha para onde tem de olhar. Tem sempre a boca aberta de par em par e a gola da camisola empapada pelo fio de saliva que lhe vai caindo.   [+]